The Weeknd não precisa de mais nada para se tornar um ícone da música

The Weeknd na premiação do VMA de 2020 (foto: Divulgação/MTV)
The Weeknd na premiação do VMA de 2020 (foto: Divulgação/MTV)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Como bom ouvinte de música pop, 2014 foi um ano pra se deleitar com muitos lançamentos que se provaram icônicos de lá pra cá. Carreiras inteiras foram produzidas, garantidas e até salvas durante aquele ano. Ariana Grande é um grande exemplo disso, com o seu segundo álbum, “My Everything”. Ela saiu de uma coadjuvante da Nickelodeon para a maior hitmaker de 2014, com 4 hits no top 10 dos Estados Unidos e outros países. Um desses hits foi “Love Me Harder”, colaboração da cantora com The Weeknd, cantor canadense que faz parte da mesma gravadora de Ariana, mas em parceria com a sua própria gravadora. A figura do cantor, até então, parecia bem excêntrica para os admiradores de pop, principalmente ao lado de Ariana, que começava, timidamente, a flertar com uma imagem mais madura. Mas o que ninguém esperava é que 2015 fosse de Abel, nome de batismo do artista.

Era já o seu segundo álbum, mas o primeiro lançamento com holofotes mundiais para The Weeknd. Dele, o cantor conseguiu dois hits em 1º lugar nos Estados Unidos, inclusive com uma música substituindo a outra no topo dos charts americanos. Um trabalho consistente, reconhecido pelo público e por várias premiações, inclusive o Grammy. Aliás, o ponto principal desse texto é reconhecer a consistência do trabalho de Weeknd e o quanto cada novo trabalho lançado por ele impacta o cenário musical. Para muitos, pode parecer precipitação anunciar The Weeknd como um ícone da música, mas sinceramente? Tá demorando. Prova disso é o que aconteceu nessa semana.

Domingo à noite, “Blinding Lights”, lançada ao final de 2019, ainda em tempos sem pandemia, música número 1 do ano de 2020, voltou ao topo do iTunes dos Estados Unidos. Isso poderia significar qualquer coisa, mas Weeknd também é o artista mais ouvido do mundo no Spotify no momento exato que escrevo esse texto. Ele também estará no show do intervalo do Super Bowl, talvez o espaço mais desejado e assistido do mundo. Tudo isso acontece em um momento extremamente questionável em relação à premiação mais esperada e de maior relevância da música. Mesmo com hits, um trabalho visual impecável e a longevidade de suas músicas, o último trabalho de Abel não recebeu nenhuma indicação ao Grammy.

Esse questionamento sempre vai existir mesmo com qualquer desculpa que encontrem pra justificar a ausência do maior hit do ano e de um dos maiores álbuns de 2020. Acredito que o pensamento convencional sempre me leva a pensar no esforço que artistas pretos precisam ter para serem reconhecidos de maneira, no mínimo, igual a artistas brancos. Como alguém que sempre acompanha Beyoncé, é inevitável perceber que ela não tem o mesmo número de hits em primeiro lugar que outras artistas brancas, mas ela conseguiu algo muito maior que isso. Talvez, esse seja o caminho para The Weeknd. Ele não é mais alguém que te faz lembrar Michael Jackson ou que se “limitou” a colocar o R&B em um novo ambiente e com novo peso. Ele ultrapassou todas as expectativas que você pudesse ter, mesmo as mais óbvias.

Do R&B para o disco, sempre com um pé no trap e chegando ao pop, Abel revoluciona o mercado a cada lançamento e sempre vai te dar aquilo que você não sabia que precisava. Provavelmente muita gente se arrependa de não entender isso, até as premiações que o ignoraram ou o mantiveram numa caixinha nessa temporada. Mas a busca incansável de ser um artista reconhecido muito mais pela excelência de seu trabalho que pela mídia que seu nome causa tem um certo preço e é bem óbvio que The Weeknd está disposto a continuar pagando. Pagando, para colher muito mais no futuro.

Gabriel Bueno é publicitário de formação, atua no mercado desde 2013 nas áreas de criação, mídia e produção. Viciado em acompanhar música, sempre disposto a comentar premiações, álbuns, videoclipes e tudo que envolve o meio musical. É o autor da coluna Decifrando, publicada no TV Pop nas manhãs de quarta-feira. Siga o colunista no Twitter: @GabrielGBueno_. Leia aqui o histórico do colunista no site.

Leia mais

© 2021 – 3 2 ZOOM Produtora – Todos os direitos reservados a TV POP